Ética e Política. ¨Nos Xogos Olímpicos de Rio de Janeiro…¨. Helena Villar Janeiro

Nos Xogos Olímpicos de Rio de Janeiro –os xornalistas do deporte non dan pronunciado un nome tan difícil, porque non está en inglés- atletas e deportistas do mundo rememoraron aqueles Xogos da Grecia antiga en honra aos deuses maiores do Olimpo, que se celebraban cada catro anos. Olimpíada era esa unidade de tempo que mediaba…

via OS TERCEIROS OLIMPÍCOS — Tirar do fío

Antropologia. Entendendo a Mitologia Grega

Na Grécia Antiga, as pessoas seguiam uma religião politeísta, ou seja, acreditavam em vários deuses. Hoje em dia, para nós tudo não passa de mitos, mas os gregos antigos acreditavam muito nessas divindades e achavam que elas habitavam um palácio no topo do Monte Olimpo, a mais alta montanha da Grécia,  que chega a ultrapassar as nuvens. Localiza-se próximo do mar Egeu, na Tessália. Lá de cima, os deuses decidiam a vida dos humanos e se deliciavam com o ambrósia e o néctar, o alimento e bebida que lhes possibilitava a imortalidade. Mas apesar de serem imortais, os deuses possuíam características e comportamentos semelhantes aos seres humanos: raiva, tristeza, alegria, medo, paixão, ciúme etc. Inclusive, muitas vezes, eles se apaixonavam por seres humanos comuns e desciam de sua morada divina para se relacionarem com eles, o que acabava dando origem a filhos semi-deuses ou heróis, como Hércules, Teseu e Perseu, só para citar os mais famosos.

http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/

Filosofia da Arte. Poesia. ¨A Coruja Verde¨

A Coruja Verde

Uma coruja verde está pousada
no aparador de minha sala de visitas.
Tem os olhos voltados para a direita e a esquerda,
mas sei que está me olhando.

É feita de uma madeira leve, a balsa.
Não sei por que a pintaram de verde,
mas foi uma feliz ideia:
imagino a coruja amanhecendo
como uma árvore.

A cor da sabedoria deveria ser o verde,
como uma árvore que vai florir
e voar com tanta claridade.

http://poesiacronica.blogspot.com.br/2009/02/coruja-verde.html

G.G.H.

G.G.H.

Antropologia. A Esfinge. Pense antes de Falar!

A Esfinge

¨Decífra-me ou Devóro-te¨

A Esfinge, criatura mitológica com corpo de leão e cabeça humana, é uma imagem importante para as lendas e artes egípcias e gregas. Segundo a história grega, a Esfinge se encontrava junto a um monte, em Tebas. Sentada à beira do caminho, propunha uma adivinha a quem passasse e, como ninguém acertava, a todos devorava. Um dia apresentou-se Édipo e a Esfinge lhe perguntou:  

¨Qual é o animal que ora tem dois pés, ora três, ora quatro, e é tanto mais fraco quanto mais pés tem?¨

Édipo respondeu:

¨É o homem na idade madura, na velhice e na infância.¨

A Esfinge, enraivecida, precipitou-se da encosta e morreu despedaçada no vale.

(Apoio para esta aula: “O Livro dos Heróis para Crianças”. W.J.Bennett)

Museu do Louvre. Édipo e a Esfinge. Jean Auguste Dominique Ingres