Fixo 11 (14). Educação, Ética e Antropologia. ‘A identidade fascinada’, de Antonio Piñeiro. Caderno da Crítica. Ramón Nicolás

Una pandilla inolvidable, Ramón Nicolás.
Muita saudade da RU Colégio Fonseca, com seus jardins e carvalhos, e especialmente da RU Monte da Condesa, onde fiz amigos que conservo até hoje. Facultad de Filosofía y CC de la Educación. Campus Vida (antigo Campus Sur). USC.

Obrigada pelo post!
https://mariadario.wordpress.com/2010/07/09/25-de-xullo-dia-da-patria-galega/

Caderno da crítica

Antonio Piñeiro

A identidade fascinada

Galaxia, Vigo, 2015, 164 páxinas, 14 €

Antonio Piñeiro levanta acta do universo particular que se xerou coa chegada do estudantado universitario a Compostela ao longo dos anos oitenta: unha viaxe polo que aquilo foi e polo que significou

Destila vagar compositivo e innegable afán de innovación este novo libro de Antonio Piñeiro que ten a ben advertir, nas páxinas limiares, as claves do enfoque que exhíbe acaroándose ás definicións de novela de Pío Baroja -“ese saco remendado onde cabe todo”- e de Cela: “documento, espello ou cámara tomavistas”.

         Un hibridismo asumido que se cadra bascula cara á crónica ensaística, cunha enorme documentación polo medio, entreverada coa propia ficción ou, se se quer, coa “non ficción” e que se inxecta por unha estética de sensacións. Vese, si,  un rapaz con catiúscas que chega a Compostela nos anos oitenta, algúns amigos e amigas de perfís…

Ver o post original 248 mais palavras

Anúncios

Tirar do fío | Allegro ma non troppo. ¨MÚSICA POLA RÚA¨

Tirar do fío | Allegro ma non troppo.

¨MÚSICOS POLA RÚA¨. HELENA VILLAR JANEIRO

Criação, Talento e Emoção: a ARTE por água abaixo?

S.I.E.U. – Sociedad Iberoamericana de Estudios Utilistaristas. FiLóSoF@S IbErOaMeRiCaN@S CoMeMoRaM ViNTe AnOs de EsTuDoS UtiLiTaRiStAS Uma singela homenagem a Esperanza Guisán!

LIEBSTERBLOGAWARD MLD

Penso que é a pluralidade de ideias e ideais que impulsiona os debates científicos, políticos e filosóficos. Também penso que algumas ‘correntes’, ‘linhas’ ou ‘tendências’ filosóficas e políticas “são dignas de ser conhecidas; merecem ser conhecidas” (Profa. Maria Cecília Maringoni de Carvalho)O Utilitarismo é uma delas e, hoje, gostaria de prestar a minha homenagem especialmente à Profa. ESPERANZA GUISÁN, catedrática de Ética da Universidade de Santiago de Compostela e presidenta da Sociedad Iberoamericana de Estudios Utilitaristas (S.I.E.U.)Para mim, foi extremamente gratificante tê-la conhecido e convivido de forma tão próxima e intensa. Meus respeitos, muitos beijos e saudades, Esperanza.

2021: Próximo Año Santo. ?Me apunto? !GALICIA, PATRIA AMADA!

LIEBSTERBLOGAWARD MLD

 

http://www.lavozdegalicia.es/galicia/2010/12/31/00031293815329073268225.htm

Dia 25 de Julho. Dia de São Tiago Apóstolo. Tiago Maior. Dia da Pátria Galega.

LIEBSTERBLOGAWARD MLD

A Carta de Tiago é um escrito de CARÁTER SAPIENCIAL, isto é, mostra a sabedoria do discernimento cristão diante das situações. Dirige-se atodas as comunidades cristãs, simbolizadas pelas “doze tribos” do novo
povo de Deus.
O autor se apresenta como Tiago, o Irmão do Senhor, que dirigiu a
igreja de Jerusalém e morreu mártir no ano de 62 (…).

Esta carta é mensagem tipicamente cristã, como os Evangelhos; reduz
toda a Lei judaica ao mandamento do AMOR AO PRÓXIMO.
Pode-se dizer que é explicação das exigências desse mandamento em
diversas circunstâncias: igualdade cristã, preferência pelos pobres e
amor ativo.
Esse amor exclui a exploração e nesta carta encontramos a mais
violenta passagem do Novo Testamento contra os ricos.

A FÉ, aqui, é vista como dinamismo que produz ação e que só é madura
quando se expressa em ATOS CONCRETOS. É FÉ que rejeita qualquer
espiritualidade ou religiosidade individualista e intimista. Da mesma
forma, a verdadeira sabedoria se expressa pela CONDUTA.

Tiago rejeita a consagrada separação entre dimensão vertical e
dimensão horizontal da vida cristã. Tiago teria dito: do mesmo modo
que o corpo sem o espírito é “nada”, assim também a fé, sem as obras,
torna-se “nada”. As obras essenciais neste contexto são: DAR DE COMER
AO FAMINTO E VESTIR O DESNUDO.

“O Novo Testamento” em Edição Pastoral
Edições Paulinas, São Paulo, Brasil, 1986.

casadabeiraalta.blogspot.com